#Cunha sai, centenas de Cunhas ficam — e o jogo continua o mesmo

O ex-deputado federal Eduardo Cunha finalmente foi preso pela Polícia Federal nesta quinta-feira, dia 19, e teve sua casa revirada por agentes em busca de provas que liguem o então homem forte com o esquema de propinas na Caixa Econômica Federal. Levando em consideração a notícia de que a Justiça Federal bloqueou mais de R$ 220 MILHÕES dos seus bens, parece inegável que o montante de acusações justifiquem sua prisão. A dúvida é se essa ação representa justiça sendo feita ou uma ovelha sendo oferecida em sacrifício para as massas. Para quem carrega as bandeiras de “Fora Cunha” e “Fora Temer”, parece um momento mais adequado à vigilância que à celebração.

O desprezo a Cunha por grande parte da população atingiu níveis estratosféricos com seu papel chave na articulação da expulsão de Dilma Rousseff. O ódio e desespero sobre tudo o que tramitou injustamente em Brasília ficou focado nas figuras de Eduardo Cunha e Michel Temer. (São farinha do mesmo saco, afinal. “Michel é Cunha”, assegurou o aliado Jucá.)

Além da imagem de usurpador escorregadio que Temer representa na consciência coletiva da oposição, não existe uma figura que melhor desminta a promessa de “impeachment para livrar o país de corrupção” do que um líder do partido-parceiro mais próximo ao PT nos esquemas de corrupção: ele mesmo é acusado de embolsar dezenas de milhões de reais através de contratos corruptos. Já a palavra “Cunha” virou quase um xingamento para milhões de brasileiros. Ele é tão odiado que nem consegue andar em aeroportos sem apanhar de tiazinhas sob uma trilha sonora de vaias.

Os caciques do PMDB não são iniciantes na política e entenderam que Cunha parou de ser o instrumento incisivo de antes e virou uma pesada cruz para seus aliados carregarem. Deixaram-no para os lobos. O juiz Sérgio Moro, que abertamente articula uma estratégia midiática, também consegue reconhecer o valor de pegar um peixe peemedebista deste tamanho — especialmente neste momento, com seu poder e respeito em declínio por ter ultrapassado limites constitucionais e ignorado o mandato de imparcialidade. Apoiadores de outrora, como Brian Winter, editor-chefe da revista Americas Quarterly, reconhecem a politização do Lava Jato:

“Diria que a politização do caso é exatamente o que permitiu que ele progredisse até onde foi sem ser interrompida por seus inimigos. Perversamente, também é o que vai começar a levar a investigação a seu fim, provavelmente nos próximos meses.”

160318023652_sp_sergio_moro_protesto_640x360_ag.brasil_nocredit

Foto: Agência Brasil

A prisão de Cunha serve a muitos interesses, ainda que deixe várias sanguessugas de Brasília estendendo a mão para a garrafa de uísque. Cunha preso, como no caso de Marcelo Odebrecht, é pão e circo para o povo. A ideia de vê-lo encarcerado desencadeia uma catarse coletiva. Pegaram o ladrão. Mas esse alívio pode até ser um fator desmobilizante da oposição, com o “Fora Cunha” cumprido. Ao mesmo tempo, Moro consegue usá-lo como um exemplo de sua imparcialidade sem cuspir diretamente no olho dos novos donos de Brasília, que estão salivando para fechar sua investigação interminável (quase todos são implicados) e voltar para o negócio de sempre. Sem dúvida, será uma potente ferramenta retórica no esperado dia em que Moro pedir que a PF volte com a cabeça de Lula.

Rapidamente, oponentes do impeachment esqueceram suas críticas a Moro e estão saboreando o momento:

E, previsivelmente, alguns porta-vozes da direita usaram a prisão de Cunha como uma oportunidade para demonstrar quão simplista é seu pensamento e ridicularizar a ideia de que Moro possa pedir a prisão de um peemedebista e, ao mesmo tempo, ser parcial.

Enquanto os treteiros tretam, são esquecidos todos os danos infligidos pelo ex-deputado durante seu reinado, por exemplo:

A prisão é a última de uma longa sequência de más notícias para o peemdebista. Em maio, o ministro Teori Zavascki do Supremo Tribunal Federal afastou Cunha do seu mandato de presidente da Câmara. Em junho, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu a prisão dele. Em julho, sob pressão insuperável, ele mesmo renunciou à presidência da Câmara à lágrima de crocodilo. Em setembro, a Câmara o expulsou de suas fileiras, que causou o Cunha perder o sagrado direito do político brasileiro: o foro privilegiado. Tudo isso foi um caminho até o inevitável: a prisão. Ainda em jogo é se o mestre das artes políticas consegue se livrar através de uma lacuna da lei ou se a ficha realmente caiu.

RP_Manifestacao_LPJ_contra_Eduardo_Cunha_13112015_00013112015_021

Foto: Fotos Públicas

Vale lembrar que Cunha é acusado de ter seu dedo em quase todos os potes e responde a muitas acusações de crimes milionárias. Ele é a definição de rabo-preso e já ameaçou publicamente que vai o filme de todos seus ex-colegas, “vou contar tudo que aconteceu, diálogo com todos os personagens que participaram de diálogos comigo. Eles serão tornados públicos, na sua integralidade. Todo mundo que conversou comigo, todos, todos.”

O fato que uma possível delação premiada ainda está preocupando a Brasília é prova suficiente que mesmo se Eduardo Cunha sair da plateia política, seu legado, sua essência e seus aliados de pensamento permanencem. O Cunha sai, mas centenas de Cunhas ficam.

Foto de topo: Brasília — O ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, embarca para Curitiba após ser preso pela Polícia Federal.

The post Cunha sai, centenas de Cunhas ficam — e o jogo continua o mesmo appeared first on The Intercept.

from The Intercept ift.tt/2dr2iCU

Leave a Reply

Your email address will not be published.

The CAPTCHA cannot be displayed. This may be a configuration or server problem. You may not be able to continue. Please visit our status page for more information or to contact us.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.