#Trump despreza a mais importante tradição democrática

Os Estados Unidos são únicos em muitos aspectos, mas o mais importante deles é que temos mais de 240 anos ininterruptos de transições de poder democráticas e pacíficas. As forças armadas seguem ordens de civis e, por isso, nunca tivemos um golpe. Presidentes que perdem eleições deixam o cargo, de forma que nunca tivemos uma revolução armada.

Nenhum outro país no mundo chega perto dos EUA nesse sentido. É, de longe, a mais valiosa herança política do povo americano. Portanto, não deve ser uma surpresa que Donald Trump se declare satisfeito por jogar a tradição no lixo, como um casino que dá prejuízo ou uma primeira esposa de 40 anos.

Ao ser questionado pelo moderador Chris Wallace se “aceitaria o resultado da eleição inquestionavelmente”, Trump respondeu “vou ver quando a hora chegar” e seguiu com uma longa bravata sobre como a eleição está sendo fraudada em seu detrimento.

O chilique de Trump tem de ser analisado no contexto da história americana: Quase todas as revoluções terminam com os vencedores se agarrando ao poder até serem removidos à força. O aspecto mais impressionante da Revolução Americana não é que George Washington tenha chegado ao poder, mas o fato de ele ter saído do cargo voluntariamente depois de dois mandatos. Os EUA cultivam uma tradição de aceitar o resultado de eleições mesmo sob as condições mais questionáveis. Por exemplo, no final da corrida presidencial de 1968 entre Richard Nixon e Hubert Humphrey, o presidente Johnson descobriu que Nixon vinha negociando secretamente com o governo do Vietnã do Sul para garantir o prolongamento da guerra e impedir o acordo de paz que ajudaria Humphrey.

Johnson pensou em tornar esse fato público. Porém, seu assessor, Clark Clifford, o confidenciou que “alguns elementos da história têm uma natureza tão chocante que estou me perguntando se a revelação da história seria positiva para o país e, possivelmente, acabar elegendo [Nixon]. Isso poderia colocar toda a sua administração sob tamanha dúvida que acho que seria prejudicial aos interesses de nosso país”.

No ano 2000, Al Gore concedeu a vitória a George W. Bush, mesmo que Gore tenha vencido no voto popular, ainda que a recontagem de votos na Flórida tenha ocorrido em um estado governado pelo irmão de Bush, Jeb, e mesmo que os cinco juízes do Supremo Tribunal que votaram pela interrupção da recontagem tenham sido indicados pelo pai de Bush.

Veja o que Gore disse após ligar para Bush:

Stephen Douglas disse a Abraham Lincoln, que havia acabado de derrotá-lo na eleição presidencial, “O sentimento partidário precisa se render ao patriotismo. Estou com você, Senhor Presidente, e Deus o abençoe”.

Bem, nesse mesmo espírito, digo ao Presidente eleito Bush que o que resta de rancor partidário deve ser deixado de lado, e que Deus abençoe sua administração do país.

Muitas coisas e pessoas são denominadas de “não-americanas” e quase nunca isso é verdade. Mas Donald Trump é verdadeiramente “não-americano”.

The post Trump despreza a mais importante tradição democrática appeared first on The Intercept.

from The Intercept ift.tt/2dDXrSs

Leave a Reply

Your email address will not be published.

The CAPTCHA cannot be displayed. This may be a configuration or server problem. You may not be able to continue. Please visit our status page for more information or to contact us.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.